Notícias

30/08/2017 15:03:49

Cinco impactos no dia a dia causados pela alteração da meta fiscal

Cinco impactos no dia a dia causados pela alteração da meta fiscal

 

A nova meta fiscal de déficit de R$ 159 bilhões para 2017 e 2018 deve ser votada pelo Congresso Nacional na tarde desta quarta–feira (30). Segundo economistas consultados por Zero Hora, a alteração da meta pode, na prática, gerar aumento de impostos, corrosão do salário e prejuízo ao consumo.

Para Alfredo Meneghetti Neto, professor de economia do setor público da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), a mudança prejudica a credibilidade da equipe econômica e coloca em perspectiva impostos mais caros. No entanto, ele acredita que o mercado deve aceitar a nova meta.

— Isso impacta o bolso do cidadão, mostra que o governo vai gastar mais do que arrecadar e que precisará de alguma forma compensar esse gasto. Pode haver aumento de impostos. Mas a economia dá sinais de melhora, então o mercado vai assimilar a nova meta — resume o economista.

Veja, a seguir, as possíveis consequências da revisão da meta fiscal para um déficit ainda maior

Aumento da dívida pública
O crescimento do déficit significa que o governo terá endividamento ainda maior no fim do ano – ou seja, dívida pública mais pesada. Essa consequência é, talvez, a mais importante, porque pode desencadear uma série de outros efeitos.

A dívida pública é um indicador importante que investidores estrangeiros usam para decidir as taxas de juros cobradas em empréstimos concedidos a empresas brasileiros e ao próprio governo. Uma dívida pública alta pode provocar juros mais altos, por medo de calote. No esforço de conter o prejuízo, o governo tem duas saídas: reduzir gastos (ou seja, corte nos serviços públicos e privatizações) ou buscar receitas (em geral, aumentando impostos ou privatizando estatais).

Aumento dos juros e impacto no consumo
Se investidores estrangeiros cobrarem mais juros do governo e de empresas brasileiras, existe a possibilidade de o governo reduzir ou mesmo reverter a queda da taxa Selic (taxa básica de juros) que o Brasil vem experimentando. A expectativa é de que 2017 acabe com uma Selic de 7,25%, frente a uma previsão anterior de 7,5%.

A Selic é a base de todos os juros cobrados no país, incluindo os praticados por bancos e empresas de crédito. Portanto, uma taxa alta dificulta a vida de famílias endividadas e reduz também o consumo. Com isso, o governo arrecada menos – em um ciclo vicioso que não ajuda a economia a ir para frente.

— A Selic está alta. Se ela parar de cair ou mesmo aumentar, as famílias endividadas são afetadas, porque vão pagar juros mais altos sobre as dívidas contraídas — avalia Fernando Ferrari Filho, professor de economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Aumento de impostos
No esforço de controlar o rombo, o Planalto pode aumentar os impostos e revisar incentivos fiscais para incrementar a arrecadação, diz Meneghetti Neto, da PUCRS. O economista descarta a criação de novos impostos – isso dependeria da aprovação do Congresso, que já está de olho nas eleições do ano que vem.

— O que pode acontecer é um aumento nas alíquotas de impostos já existentes, sobretudo os atrelados ao cartão de crédito e a transações no exterior, como o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) — avalia o economista.

Perda de credibilidade da equipe econômica
Economistas ouvidos por ZH descartam que o Brasil seja rebaixado novamente por uma agência de rating (medida que prejudica a imagem brasileira no Exterior e desincentiva empresas estrangeiras a investirem no país), mas reforçam que alterar a meta fiscal dá sinais de má-gestão das contas.

— Revisar a meta mostra que o governo não vai cumprir o que foi acordado, o que passa uma menor credibilidade da política econômica para o mercado — opina Ferrari Filho, da UFRGS. Isso pode influenciar o governo a adotar medidas de arrocho, como privatizações e corte de gastos em serviços públicos, opina o economista.

Mesmo assim, ele avalia que o Brasil não será rebaixado pelas agências de rating.

— As agências sabem que não vamos sair tão cedo do buraco. Não vão nos rebaixar mais, por enquanto — avalia.

Corte de gastos
Com a perda de credibilidade, o mercado pode exigir um aperto de cinto ainda maior nas contas públicas, para garantir que os gastos do governo ficarão dentro da meta, avalia Ferrari Filho.

— Pode haver mais contingenciamentos (corte de gastos), com revisão de gastos na educação, saúde e segurança, além de revisão nos subsídios e incentivos fiscais — diz o professor.

Já Meneghetti Neto, da PUCRS, avalia que os acordos políticos entre o Planalto e os parlamentares para barrar a denúncia contra Temer na Câmara devem conter, ao menos no futuro próximo, o corte de gastos.

— A base aliada espera que o governo eventualmente cumpra as promessas, o que significa mais cargos. Não vejo possibilidade de contingenciamento (corte de gastos) por agora, ainda mais em período próximo às eleições — avalia o economista.

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles
Foto: Antônio Cruz /ABR

ZERO HORA 



Voltar

Entrevistas

  • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã - Parte 3
    • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã - Parte 3

    • 22/09/2017 11:31:23
  • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã - Parte 2
    • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã - Parte 2

    • 22/09/2017 10:58:29
  • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã Parte 1
    • Carlos Augusto Brum de Souza, Prefeito de Tupanciretã Parte 1

    • 22/09/2017 10:00:46

Últimos recados

    • 13.09.2017
    • NEI JOSE DIAS PACHECO
    alguns aniversariantes de hoje - 13.09 JOAO VITOR CORIN, MAURO CEZAR DA ROSA PINTO, FATIMA REGINA ROCHA AQUINO, CHICA DORN, SIOMARA TORMES MACHADO, LUNNA BURTET, IRENE COCCO RUBIN, CRISTIANO INDI LOPES, CLEBER JARDIM, GUILHERME MACHADO, ANANDA DOMINGUES FERNANDEZ, ZECA PACHECO POMINA, JULIANO M. BINELLO E ANDREIA BRUM. a todos parabens, felicidades.
    • 10.09.2017
    • NEI JOSE DIAS PACHECO
    alguns aniversariante de hoje - 10.09: eliane godoi, maria cristina mardini, cleonice farias, maiara ruciele, leandro mateus de jesus amaral, catarina santos dias, ester de mello, neila vianna, maria amelia lima pereira, mariangela messesrchimidt
    • 19.08.2017
    • wagner sampaio
    OI, ESTOU ESCUTANDO A RADIO AQUI EM RIO GRANDE. ABRAÇOS E UMA BOA NOITE
    • 19.08.2017
    • baba
    Aniversário da Thaine
    • 14.08.2017
    • Marcia natalina de Jesus dos santos
    Oi meu nome é marcia procuro Ricardo Rodrigues sou de caxias do sul e urgente meu número para ele 54 996136299
    • 11.08.2017
    • NEI JOSE DIAS PACHECO
    musica amigos para sempre, e ofereço a todos os advogados, aos estudantes, e principalmente aos pais, da cidade e do interior.nei pacheco

Categorias