Notícias

29/03/2018 16:26:47

Leilão de petróleo e gás da ANP arrecada R$ 8 bilhões em bônus e bate novo recorde

Leilão de petróleo e gás da ANP arrecada R$ 8 bilhões em bônus e bate novo recorde

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) arrecadou até agora R$ 8 bilhões em bônus com o leilão de 22 blocos marítimos de exploração de óleo e gás nesta segunda-feira (29), e bateu um novo recorde nas rodadas de concessões (veja mais abaixo os blocos arrematados).

Segundo a ANP, o ágio foi de 621%. No total, 47 blocos marítimos foram ofertados. Os 25 restantes foram para a repescagem, mas novamente não houve interessados.

Segundo a ANP, a etapa de leilão das áreas marítimas teve 13 empresas ofertantes, 11 delas estrangeiras. Destas, 12 saíram vencedores, das quais nove de países diferentes. “A diversidade de operadores junto com a diversidade de áreas arrematadas foram os grandes sucessos deste leilão”, avaliou o diretor-geral da agência, Decio Oddone.

Foram ofertados outros 21 blocos terrestres. No entanto, nenhuma empresa realizou oferta por eles.

Com isso, dos 68 blocos ofertados pela ANP, incluindo marítmos e terrestres, 22 foram arrematados, o que corresponde a 32% do total.

Blocos mais valiosos ficaram de fora
O valor arrecadado até poderia ter sido maior. Na véspera do leilão, decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) tirou da oferta os dois blocos mais valiosos, que representariam 80% da arrecadação desta rodada. Localizados na Bacia de Santos, os blocos S-M-534 e o S-M-645 estão adjacentes à área do pré-sal e, somados, tinha lance inicial de R$ 3,55 bilhões.

Na abertura do leilão, Oddone pediu desculpas às empresas que se dedicaram a estudar os dois blocos retirados do leilão. "Espero que haja oportunidade para que seja feita [a oferta deles] ainda este ano."

O secretário de petróleo e gás no Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix, disse que chegou a ficar preocupado com o impacto da retirada dos dois blocos da Bacia de Santos pelo TCU. “Mas foi a melhor rodada de todos os tempos desde 1999”, afirmou.

Ainda segundo Félix, algumas empresas que se inscreveram para o leilão não chegaram a apresentar ofertas, mas se fizeram presentes para avaliar o setor brasileiro. “Não temos mais uma indústria pungente, mas uma indústria nascente que vai gerar empregos e formar jovens que estão acreditando neste novo momento do mercado de petróleo”.

Outros blocos
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, considerou o leilão um sucesso, já que a arrecadação estimada em bônus era de R$ 3 bilhões. A estatal arrematou apenas um bloco sozinha, na Bacia Potiguar. Nesta mesma bacia, ficou com outros dois blocos em consórcio com a Shell. No total, a estatal arrematou sete blocos, seis deles em parceria com outras gigantes do setor.

“Olha, certeza (sobre se o leilão poderia se melhor) não existe. Mas certamente as áreas que ficaram tinham boas perspectivas, principalmente em razão dos ágios. Houve disputa grande entre empresas de porte mundial, fortes, de primeira linha, que concorreram e avaliaram essas áreas com boas perspectivas”, disse o executivo, destacando que o leilão seguiu regras usadas no mundo todo.

De acordo com Parente, as previsões de que exploração em águas profundas ainda exercem grande atratividade no mercado de óleo e gás foram comprovadas. "É um setor que continua muito produtivo, mesmo no contexto que se tem hoje no Estados Unidos, em áreas terrestres."

O Presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Jorge Camargo, também comemorou o saldo do leilão. Segundo ele, o resultado da oferta de blocos marítimos “mostra que o Brasil voltou a ser um dos principais destinos para investidores globais”.

A 15ª rodada de licitações ofertou blocos marítimos do pós-sal, disputados por 17 empresas – entre elas gigantes mundiais do setor como as norte-americanas Chevron e ExxonMobil, a anglo-holandesa Shell, a francesa Total.

O leilão ocorre 6 meses depois da última rodada, quando foi batido o último recorde de arrecadação: R$ 3,8 bilhões. Nesta tarde, a ANP vai leiloar 21 blocos terrestres. O leilão ocorre no regime de concessão, no qual o governo não tem direito a receber parte da produção em óleo. Vence a disputa quem oferecer o maior bônus.

O que foi arrematado
Da Bacia de Santos foram arrematados três dos seis blocos no único setor ofertado. O bônus de assinatura arrecadado com eles foi de R$ 346,4 milhões – um ágio de 235,91% em relação ao bônus mínimo esperado pela ANP.

Já da Bacia Potiguar, um dos cinco blocos do setor AP1 foi arrematado por R$ 5,1 milhões. Segundo a ANP, o valor não representou nenhum ágio sobre o que era esperado. Já o setor AP2 teve os seis blocos arrematados por um bônus total de R$ 133,7 milhões, com ágio de 80,98%.

Da Bacia do Ceará, apenas um dos sete blocos do setor SCE-AP-2 foi arrematado ao bônus de R$ 9 milhões, com ágio de 12,33%.

Da Bacia se Sergipe-Alagoas, um dos três blocos do setor SSEAL-AUP1 foi arrematado por R$ 3,6 milhões, com ágio de 39,73%. Já o setor SSEAL-AUP2 teve um dos quatro blocos arrematados também pelo valor de R$ 3,6 milhões em bônus de assinatura, representando o mesmo percentual de ágio de 39,73%.

O maior ágio foi da Bacia de Campos – 680,452% sobre o mínimo esperado. Os nove blocos, todos do setor SC-AP5, foram arrematados por expressivos R$ 7,5 bilhões.

'Notícia extraordinária para o RJ'
Segundo o diretor-geral da ANP, “a grande notícia” desta rodada é a concessão de todos os nove blocos da Bacia de Campos ofertados no leilão. “É uma notícia extraordinária para o Rio de Janeiro”m, enfatizou Oddone.

"Mostra o potencial que ainda temos a explorar na Bacia de Campos, que ficou cerca de 10 anos sem ser explorada por indefinição sobre o polígono do pré-sal", acrescentou.

Ainda sobre a Bacia de Campos, Oddone enfatizou, também, que "o interesse das principais companhias do mundo [que disputaram os blocos ofertados pela ANP] traz de volta o protagonismo do Rio de Janeiro no setor de óleo e gás".

(Foto: Reprodução/Twitter/ANPgovbr)

G1



Voltar

Entrevistas

  • Deputado Estadual Edegar Pretto (PT)
    • Deputado Estadual Edegar Pretto (PT)

    • 25/04/2018 11:35:18
  • Espaço Saúde- Campanha alerta sobre os riscos da pressão alta informações com Leno Falk
    • Espaço Saúde- Campanha alerta sobre os riscos da pressão alta informações com Leno Falk

    • 25/04/2018 10:09:26
  • Previsão do tempo. As informações para esta quarta-feira e os próximos dias.
    • Previsão do tempo. As informações para esta quarta-feira e os próximos dias.

    • 25/04/2018 10:08:44

Últimos recados

    • 21.03.2018
    • NEI JOSE DIAS PACHECO
    ALGUNS ANIVERSARIANTES DE HOJE - 21.03.2018 JOAO MARINO DOS SANTOS - TOMATE, LEONARDO CARVALHO, JOSE ROGERIO MACHADO SALLES, CARMEM LUCIA MARTINS PATIAS, GENY SILVEIRA RIBEIRO, CARMEM LOTTI, VIVIAN LOTTI, ENARA GUTERRES. favor divulgar nas sociais, obrigado.
    • 05.02.2018
    • Maria do Carmo Costa
    Antigamente acompanhava todas as notícias da cidade pelo site. Por que agora não tem mais, e quando tem são atrasadas? Fica difícil saber das novidades pela rádio... só bobagens.
    • 19.12.2017
    • Marcelo Peixoto Marques
    Um abraço para minha querida Tupanciretã!
    • 10.12.2017
    • Luíz Veríssimo
    Bom dia um abraço a todos os amigos da minha querida Tupanciretã , ótima programação
    • 02.10.2017
    • Larissa Fernanda
    Oi boa tarde me chamo Larissa Fernanda estou sem contato com o pessoal de Tupã, sou de santo Ângelo e estou tentando ligar pro meu namorado que mora em Tupã, Cristiano Siqueira desde ontem e não consigo contato nem com a família ... aguardo notícias.
    • 02.10.2017
    • GENESI DA SILVEIRA
    Oi bom dia estou ouvindo a radio Tupã ,e estou triste em saber que o temporal fez estrago em minha querida TUPANCIRETÃ .Abraços aõ amigos de Tupã ,e principalmente para toda minha familia do POR DO SOL.e para vocês ai na radio.

Categorias